Adenízia faz um retrospecto desde as Olimpíadas para o jornal Lance

Desde 2016 muito aconteceu na carreira de Adenízia. Ela mudou de continente, passou por uma adaptação a uma nova cultura, e ela conta como foi todo esse período no Espaço dos Campeões do jornal Lance.

Confira abaixo:

Olá leitores do Lance! Sou Adenízia Ferreira, jogadora da Seleção Brasileira de Vôlei, campeã olímpica em Londres 2012 e cinco vezes campeã do Grand Prix. E estou aqui para contar como tem sido a minha preparação para os Jogos de Tóquio em 2020. Primeiro, foi bem difícil na Rio 2016 ver o tão sonhado ouro olímpico (que seria meu segundo) ir embora dentro de nossa própria casa. Sabíamos que seria difícil, assim como foi em Londres. Jogamos dentro de casa e com a nossa torcida, e o Brasil vivia um momento complicado, onde nosso povo encontrou no esporte a alegria, principalmente no Vôlei. Eu não acreditava que o nosso sonho tinha acabado em cinco sets contra a China, uma equipe com a qual tínhamos feito vários amistosos e conhecíamos bem, mas fomos surpreendidos.

Depois disso, chegaria um novo desafio para mim. Sair de um time onde eu cresci, onde cheguei com 13 anos de idade e joguei por 15. Osasco era a minha vida. Ali me criei como pessoa e jogadora, e nunca tinha pensado na hipótese de sair. Mas logo me vi diante de novos desafios, planejamento e toda uma nova vida, em outro país e cultura. Foi bem difícil no início, mas eu gosto de desafios, encaro com coragem. Hoje sou uma atleta conhecida em toda a Europa. Fui eleita a melhor central da Série A Italiana e decidi ficar por aqui, no meu atual time, Savino del Bene. Mas o que isso tem a ver com a Seleção? Tudo! Pois aqui pude conhecer várias jogadoras que são importantes para as suas seleções. Consegui melhorar meus fundamentos e cresci muito como pessoa, e isso faz parte do crescimento para estar em Tóquio daqui a dois anos. Quero conquistar o ouro novamente. Agradeço à minha família, meus amigos e meu noivo por entenderem essa nova fase, na qual preciso estar ausente. É para a realização de um sonho. Nossa vida útil é curta. Temos que aproveitar ao máximo tudo aquilo que nos é dado, para melhorar e ser campeões.

12 de julho de 2018